COLHER

Foi sendo assim, seguindo de maneira intuitiva a citação seguinte:

Apertar uma colherinha entre os dedos e sentir seu latejar metálico, sua advertência suspeita. Como custa negar uma porta, negar tudo o que o hábito lambe até dar-lhe uma suavidade satisfatória. Quando mais simples é aceitar a fácil solicitação da colher, usá-la para mexer o café.

Julio Cortázar em Histórias de cronópios e de famas

Colher é o meu primeiro blog. Me mudei de lá para cá, cujo endereço foi desativado há anos. Muito da minha criação pela escrita, pelo desenho e pela imagem começou ali, em 2002.

Muita coisa não teria acontecido e eu não estaria aqui onde estou se não fosse pela colher, por Cortázar, pelos amigos, pelo que eu escrevia e assim até hoje consigo guardar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s