EU TINHA CABELOS GRISALHOS

num sonho desses últimos dias. Muito acinzentados, com alguns fios brancos. Bonitos, com um corte assimétrico, do jeito que eu gosto. Estavam volumosos também. Eu me sentia bem e feliz. Basicamente era um sonho comigo velha. Normalmente a velhice, sobretudo a feminina, é encarada como negativa. É algo a se evitar, lamentar. Esconde-se as marcas … Continue lendo EU TINHA CABELOS GRISALHOS

ESCREVER SONHOS

tornou-se um hábito logo nos primeiros meses de escrita no blog. Antes, que eu me lembre, talvez não fossem assunto tão recorrente dos meus diários e agendas. O interessante era contar aos amigos os sonhos que tive com eles. Tinha também sonhos com cenas de cinema, com o Almodóvar cortando meu cabelo, por exemplo, que … Continue lendo ESCREVER SONHOS

LEITE COM NESCAU EMBAIXO DA CAMA

-- era com isso que eu tinha sonhado. Um copo de vidro, daqueles de requeijão, e leite achocolatado. Seguramente, colocavam um pouco de açúcar, para adoçar ainda mais a mistura. Era isso o que eu bebia todas as manhãs. Provavelmente, tinha pão com manteiga, ou banana, para acompanhar. Certa vez, sonhei que o copo com … Continue lendo LEITE COM NESCAU EMBAIXO DA CAMA

ESTÁVAMOS NUM PRÉDIO

grande, por onde era possível passear; era aqui em São Paulo. Foi ficando de noite, subimos os andares, acompanhando uma excursão (de japoneses, ao que tudo indica). Uma professora era a guia, contando a história de alguém que fugiu da segunda guerra. Chegamos ao topo, subindo de mãos dadas. Muita gente ali - moradores, visitantes? … Continue lendo ESTÁVAMOS NUM PRÉDIO

UM VÍRUS ENTROU

no meu computador. Sem saber exatamente como, ele começou a se multiplicar. Eram ícones com carinhas de personagens de uma história, alguns ainda transparentes, prestes a nascer: todos eles se organizavam para dissolver os arquivos do meu computador. Lançaram a ameaça - eu tinha pouco tempo. Um amigo resolve me ajudar e encontra o cronograma … Continue lendo UM VÍRUS ENTROU

DESCIA A RUA

Paim e no meio das demolições todas descobriram uma igrejinha no fundo de uma casa, em estilo neogótico. Ela seria demolida também? Não pude saber. Só via subindo a rua uma procissão grande, com muitas crianças. Mais para baixo, outras crianças não participavam da procissão, mas jogavam bola. Parecia que quem acompanhava a procissão era … Continue lendo DESCIA A RUA

EU SONHAVA

e não queria acordar; alguém me chamava; eu respondia que estava sonhando. Esforcei-me muito para sair do sono. Quando saí percebi que estava em outro sonho, também deitada na cama, esperando acordar. Dessa vez foi mais fácil acordar - dois minutos antes de realmente me chamarem.