SEIS ANOS ATRÁS

encontrei, seguidas vezes, um velhinho no cinema -- uma vez no belas artes, depois no antigo unibanco; até no ponto de ônibus na frente do MIS, voltando para casa (já escrevi sobre ele rapidamente, naquela época). Ele vestia camisa e paletó, apoiava o corpo pesado com uma bengala. Movimentava-se lento e não sem alguma dificuldade. … Continue lendo SEIS ANOS ATRÁS

UM EMAIL, DE UM ANO ATRÁS

me chamou a atenção, faz alguns dias. Estava relendo as mensagens que recebia e escrevia logo depois do nascimento do Francisco, para reavivar a memória -- eu estava escrevendo sobre o pós-parto. Uma querida amiga, que me mandou vários emails durante aqueles meses, muito delicadamente colocava à prova algumas das decisões que tomamos: usar fraldas … Continue lendo UM EMAIL, DE UM ANO ATRÁS

FICAR EM SILÊNCIO

e me afastar: eis um recurso que tenho usado cada vez mais, no dia-a-dia, em situações de confronto. Um exemplo: a vizinha vem dar palpite porque o Francisco não dorme em berço. Se fosse uns meses atrás, eu começaria a explicar nossa decisão, dar argumentos. Mas já percebi que isso poucas vezes adianta. A outra … Continue lendo FICAR EM SILÊNCIO

APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA É

-- não saber dizer coisas elementares quando mais se precisa. -- fazer uma criança perder a paciência tentando explicar algo de que você não tem a mínima ideia. ela fica emburrada e desiste de falar com você. -- lembrar-se de uma palavra ou frase muito tempo depois do momento em que ela era fundamental. e … Continue lendo APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA É

“ESCUTE SEU CORAÇÃO”

foi o que uma terapeuta disse para mim, a respeito da criação de filhos. A frase é um clichê -- mas nem por isso deixa de ser tão verdadeira. Escutar o coração seria deixar falar a voz interior, amar com todas as forças, sem limite. Não dá pra escutar direito o coração quando se aceita … Continue lendo “ESCUTE SEU CORAÇÃO”

“NÃO LEIA TANTO!”

eis a frase que ouvi algumas vezes durante a gravidez, de pessoas próximas, até mesmo durante a visita à maternidade. Como assim?! Não devo me informar sobre o momento que estou vivendo? O argumento é que a informação pode atrapalhar. A pessoa ficaria angustiada em frente a muitas informações, com medo e receios. Pois eu … Continue lendo “NÃO LEIA TANTO!”

QUASE NO FIM

do filme, dois personagens se encontram: comentam a história em quadrinhos que é desenhada durante o filme. A personagem que leu a história pergunta pro autor: - o cientista que você desenhou é o seu pai? Ele responde: - não, isso é só uma história. Você está tentando encontrar correspondências. O mesmo acontece com quem … Continue lendo QUASE NO FIM

DIRIGINDO UM JIPE

eu chegava num lugar cheio de subidas e árvores, uma região de serra. Lá, ia encontrar alguns amigos. Estava sozinha e precisava arranjar um lugar para estacionar. O terreno era difícil, circulei muito, de um lado para outro, procurando uma vaga. Pessoas esperavam, em fila, alguma coisa que eu não sei. Quando estacionei, o jipe … Continue lendo DIRIGINDO UM JIPE