EM DEMOLIÇÃO

todo um bairro indo abaixo.
Tudo ao mesmo tempo, várias casinhas transformadas em nada, terreno amplo e livre para novos prédios.
Parecia, e no sonho comentávamos, o que está acontecendo agora com aquela região perto do largo de Pinheiros e o largo da Batata.

Eu resolvi dar uma volta a pé pelas ruas que estavam vazias, para ver as máquinas e o que sobrou das construções antigas. O trabalho ainda não estava terminado, em alguns casos pedaços das casas sobravam.
Pensei em pedir a quem estava comandando aquilo que pelo menos as fachadas das casas e dos predinhos fossem mantidas, e em cima delas fosse crescendo os novos prédios.

ERA UM LUGAR

perdido como outros, ao acaso como todos os que eu procuro, esquina depois de esquina.

Era a rua Mazini, nome que eu guardei para não perder a vista, os barrancos cheios de entulho, um galinho (ele estaria lá mesmo?) no meio da madrugada, depois da busca dos churros da rua Ana Néri. Hoje de novo me lançando às ruas passei muito por perto, largo do Redentor. Mesma exploração de recantos cinza e úmidos, mesmos pretextos para não parar.